Festa de São João Batista

Motivos pelos quais o Santo Precursor foi dado como Padroeiro das Noviças de Sion

Encontro do Pe. Teodoro com as Noviças no dia 24 de junho de 1853.

Um ponto interessante: S. João Batista fez um longo Noviciado no deserto; ele pregou no deserto. Vocês também pregarão muitas vezes no deserto.

Nós lemos que S. João Batista se alimentava de gafanhotos e de mel selvagem; ora, tudo o que está escrito é para nossa instrução. Não há nada de inútil no Evangelho. De onde vem que dois dos evangelistas conservaram este pormenor das refeições de S. João Batista? O evangelho, em geral, não leva em conta o que se come. Por que então conta o que comia o Precursor? Qual é o mistério? Eis o que eu penso: eu creio que eu estou certo. Entretanto como não encontrei esta explicação nos intérpretes, eu não apresento isto como uma doutrina reconhecida.

Comecemos pelo mel…

O mel é o amor. Viver de mel, é viver de amor. Como vivemos de amor? Isto acontece quando o objeto amado ocupa constantemente o coração, os desejos, os trabalhos, os pensamentos; quando nossa felicidade, nossa delícia está em conversar com Deus, de nos lembrar seus benefícios, de agradecê-lo, de adorá-lo. Esta vida de amor dilata nossa alma, como o fogo dilata o metal. Ela desenvolve nossa capacidade de amar e, mais o amor aumenta, mais nós temos necessidade de amar. Mas, se comermos somente mel, seria muito doce; é preciso acrescentar, durante esta vida terrestre, um outro alimento.

Chego então aos gafanhotos!

É preciso, queridas irmãs, que vocês comam gafanhotos.

O que isto significa?  Gafanhotos são pequenos seres que vão e vêm; eles não têm lugar fixo. Eles têm os pés leves; e mesmo privados de asas, eles não caminham sobre o chão, eles o tocam apenas. É a imagem de uma virtude essecial que eu chamo o desapego. Sim o desapego é um alimento inseparável do amor. Não existe amor sem desapego, isto é, esta coragem que nos faz usar as coisas como não as usando e que nos dispõe a ir a qualquer lugar onde Deus nos envia.

Portanto uma noviça de Sion deve se alimentar de mel e de gafanhotos,isto é, de amor e de sacrifício. Isto se aplica a tudo. Gosto de um trabalho; e devo deixá-lo. Tenho uma companheira amável; eis que ganho outra companheira; gosto de meu quarto; devo deixá-lo! São pequenos atos de desapego que comparo aos pulos do gafanhoto.

Os gafanhotos não têm asas. Lançam-se fazendo-se ajudar pelos pés e pelos rins. Eis o que é preciso imitar. Nós não podemos ainda nos elevar até o céu. Mas nós podemos através de esforços, por atos de nossa boa vontade, fazer um sacrifício, depois um outro… e chegar até o fim.

Acrescentemos algumas coisas mais: a missão de dirigir os discípulos para Jesus. São João Batista tinha também discípulos, e ele os amava; mas mostrou a eles, com o dedo, o Cordeiro de Deus e os levou a segui-Lo. As pessoas se apegam a nós, é bom; mas vocês devem, por sua vez, ajudá-las a se apegarem ao Senhor; vocês devem mostrar-lhes Jesus Cristo dizendo: Eis o Cordeiro de Deus. E não somente vocês devem mostrá-lo com o dedo, mas com suas palavras, seus exemplos, sua vida inteira, tudo, deve conduzir as pessoas a Jesus Cristo.

 S. João Batista resume a perfeição de todos os santos. Também ele foi providencialmente indicado para ser o Padroeiro de vocês; e isto me faz esperar que vocês são também chamadas a se tornarem santas. Possam vocês realizar esta esperança!

Endereço

Rua Cosme Velho, 120
Rio de Janeiro - RJ

CEP: 22241-090